Make your own free website on Tripod.com

Harry Potter and the Half Blood Prince

Veja_a_imagem_maior

Ao ler o final do livro, fiquei um tanto quanto despontada. Como todos os outros, o livro inteiro tem uma trama muito boa, que te "prende" na história, fazendo que você sempre queira ler o próximo capítulo. Mas, ao contrário dos outros, o final não é como o experado por qualquer pessoa que tenha lido o livro.
Há poucos fatos de relevância no decorrer da história. Um deles, já podemos perceber no segundo capítulo do livro, no qual fica claro que Snape está trabalhando como um agente duplo, mas nos deixa em dúvida de qual lado ele realmente está. Essa dúvida se esclarece no capítulo 27, no qual algo que nenhum fã de Harry Potter esperava acontece. A pessoa que morre no sexto livro não é ninguém mais ninguém menos que Alvo Dumbledore. Ele é morto por uma pessoa que confiava muito, Severo Snape, que, após matá-lo, foge com Draco Malfoy (esse mesmo que estão pensando) e outros comensais da morte.
Outro ponto importante na história são os Horcruxes. Elas são fragmentos de alma "colocados" geralmente em objetos, dessa maneira, a pessoa se tornaria "menos mortal", pois sua alma não estaria totalmente destruída. Harry descobriu que Voldemort dividiu sua alma em sete partes e colocou seis delas em seis coisas que julgava importante para ele, a sétima está em seu próprio corpo. Para que, algum dia, Voldemort possa ser morto, é preciso que todas essas Horcruxes sejam destruídas. Três delas já foram. Uma era o diário de Riddle, que Harry destruiu no segundo livro, outra era um anel pertencente a Salazar Slytherin, que Dumbledore destruiu.
A terceira requer um pouco mais de explicação. Dumbledore e Harry foram a um local que, suspeitavam que havia uma Horcrux. Tratava-se de um líquido que só podia ser destruído se fosse tomado. Dumbledore tomou, e isso contribuiu para que morresse, pois o mesmo o deixou fraco. Após sua morte, Harry pegou um bilhete que estava no bolso de Dumbledore, ele provavelmente o pegou onde estava a Horcrux. Ele dizia que aquela Horcrux era falsa e a verdadeira já fora destruida. Quem mandou o bilhete, ninguém sabe, só havia as iniciais R.A.B., mas não se sabe de quem são.
Esses foram os fatos mais relevantes do livro, mas outros também ocorreram, como o casamento De Gui Weasley e Fleur Delacour, o namoro de Lupin e Tonks, a morte de Aragogue e a promoção de Harry a capitão do time de quadribol.
E agora, a pergunta que não quer calar: Quem é o Príncipe? Essa foi minha maior decepção lendo o livro. O Príncipe, não é um príncipe. Prince (em inglês) não se trata de um título de nobreza, mas sim de um sobrenome. Harry conhece o "príncipe" através de um livro antigo de poções, que pegou emprestado da escola. Nele havia muitas dicas, anotações úteis, feitiços e azarações, por isso, Harry o adorou. Ele era muito útil nas aulas do Professsor Slughorn (Snape conseguiu seu cargo em Defesa Contra as Artes das Trevas) e em outras matérias também. Até que, decobriu que a primeira dona desse livro era Eileen Prince, uma bruxa de sangue puro que se casou com um trouxa, Tobias Snape e com ele teve um filho Severo Prince Snape. Por isso, Snape é o Prince mestiço, não o príncipe.